Outubro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
15
17
18
19
20
22
25
26
27
29
31
arquivos
2014
2013
2012
2011
2010
2009
Posts mais comentados
16
Out
09
Foi hoje publicado hoje no Jornal Publico o seguinte artigo:

Rapazes entre os seis e os dez anos têm mais excesso de peso que raparigas 

Os rapazes portugueses entre os seis e os dez anos têm maior prevalência de excesso de peso do que as raparigas, em especial nos Açores, zona do país que regista níveis mais elevados de pré-obesidade.

Este é um dos dados dos resultados nacionais do estudo COSI (Childhood Obesity Surveillance Initiative), da Organização Mundial da Saúde, realizado pelos nutricionistas João Breda e Ana Rito, que será apresentado hoje numa conferência alusiva ao Dia Mundial da Alimentação.

A coordenação do Childhood Obesity Surveillance Initiative, o primeiro sistema europeu de vigilância nutricional infantil, está a ser feita por Portugal.

O COSI-Portugal avaliou 3847 crianças do 1ºciclo do ensino básico de 185 escolas, pelo que, explicou à Lusa a nutricionista Ana Rito, constitui uma amostra nacional representativa.

Segundo a nutricionista, a implementação deste sistema de vigilância - "simples, padronizado, harmonizado e sustentável" - é uma medida importante para corrigir as lacunas em obter informação sobre o estado nutricional e os instrumentos de avaliação e monitorização da prevalência de obesidade em crianças, permitindo também identificar grupos em risco.

Por outro lado, disse, pode ainda ser consolidado com outros protocolos para avaliar o impacto de intervenções de prevenção da obesidade no âmbito escolar.

O sistema de vigilância tem como principal objectivo criar uma rede de informação sistemática a cada dois anos, comparável entre os países da Europa, sobre as características do estado nutricional infantil de crianças dos 06 aos 10 anos.

No primeiro ano de avaliação (2008/2009) participaram 13 países dos 22 que integram esta iniciativa.

Em Portugal, este projecto foi articulado com as administrações regionais de saúde do Norte, Centro, Lisboa e Vale do Tejo, Algarve e Alentejo e com as direcções regionais de saúde dos Açores e da Madeira.

Os resultados mostraram uma distribuição por género e por média de idades idêntica entre rapazes e raparigas (7,5 anos).

Os rapazes eram, em média, mais altos e mais pesados do que as raparigas: a média da estatura nas raparigas é de 122,4 cm e de 124,3 nos rapazes e o peso de 26,6 kg nas raparigas e de 27,3 kg nos rapazes.

A prevalência de pré-obesidade foi de 18,1 por cento e de obesidade de 13,9 por cento, o que, explicou Ana Rito, soma uma prevalência de 32 por cento de excesso de peso.

O excesso de peso foi maior nos rapazes (32,9 por cento) do que nas raparigas (31,0 por cento).

Embora não tenham sido produzidos dados de amostras regionais representativas, o estudo revela que a região que mostrou maior prevalência de pré-obesidade e obesidade foi a dos Açores (21,7 por cento para os rapazes e 20,7 por cento para as raparigas).

Em oposição, a região que mostrou menor prevalência de pré-obesidade e obesidade foi o Algarve (10,7 por cento nos rapazes e 6,8 por cento nas raparigas).

As crianças foram avaliadas através de parâmetros antropométricos (peso e estatura) por 74 examinadores, que receberam o mesmo treino de uniformização e qualidade de procedimentos. Foram ainda aplicados dois questionários com variáveis relativas à família e ao ambiente escolar.

Fonte:Jornal Publico em 16/10/09

 

publicado por Drª Catarina Cunha às 14:14
|  O que é? | favorito
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
BoasOnde posso comprar a batata yacon em Portugal?...
Gostei muito do artigo porque fala do impacto da a...
excelente artigo! muito obrigado, todos estamos su...
Como ninguém comenta... Eu concordo plenamente. Ma...
Não entendo como os pais podem alimentar as crianç...
blogs SAPO